Revenge.

Este é o relato de uma pessoa que sofre. De uma vítima. De alguém que nos últimos 8 anos viveu com uma pessoa que a faz sofrer. Foram muitas horas de desassossego. De dor. De verdadeiros sustos. E o que me magoa tanto, perguntam vocês? Acontece que o meu marido.......... só espirra. Ele espirra. E espirra. E espirra. Não apenas na mudança da estação, com os fenos e as alergias. É todo o ano. A cada 20 minutos: ATCHÔOOOO!!!! Não há nada de privado neste fenómeno. É algo que se faz ouvir, que alcança uma presença, que ganha um lugar à mesa.

O pneumologista já lhe receitou uma série de anti-histamínicos e gotas nasais, que o meu marido não aplica porque não gosta de tomar medicamentos. A única coisa de que não se esquece religiosamente todas as noites é da bomba de cortisona. E perguntam vocês novamente, então porquê? Porque no topo de todos os problemas respiratórios que tem, ele coloca diariamente meio maço de Marlboros. Claro que devemos respeitar as decisões dos outros. Ele só vai parar de fumar quando "estiver preparado" ou "apanhar um susto", como muita gente gosta de me dizer quando reclamo com este seu hábito. E sabem o que eu digo a estas pessoas? Ora, ide comer merda. Porque não foram vocês que o levaram ao hospital quando teve o bronco-espasmo e precisou de levar cortisona e oxigénio para abrir os pulmões. Não são vocês que conhecem o historial médico desta família, em que pai, avô e bisavô tiveram cancros relacionados com o tabaco. Não são vocês que vivem com uma pessoa que fuma porque está stressada e fuma porque não está. Que todos os anos diz que vai deixar de fumar nas férias e depois fuma o dobro. Que depois do susto do bronco-espasmo jurou a pés juntos que tinha deixado de fumar, quando na realidade fumava às escondidas e depois escondia o cheiro com quilos de pastilhas de mentol [já agora, alguém sabe o efeito no organismo de grandes quantidades de xilitol?... pois...]

Se eu lhe faço a cabeça em água para parar, subornando-o de todas as maneiras possíveis que, não funcionando, dão lugar a ameaças; se o proíbo de fumar dentro de casa, mesmo estando frio e o mando para a varanda tapada (o que é uma constipação comparada com cancro do pulmão?); se compro aquelas tirinhas caríssimas para o nariz à venda na farmácia para que não tenha a sensação de dormir junto à estação de comboios do Entroncamento; se me dou ao trabalho de fazer isto tudo, é porque me preocupo. Preocupo-me com ele porque o quero ao meu lado até ser um velho desdentado mas com uma rica cabeleira, de preferência com os pulmões de origem e não arrastando a botija de oxigénio à la Javier Bardem n' "Este País Não é Para Velhos". Mas isso sou eu, que sou uma chata, que me preocupo com os efeitos secundários do Symbicort, que não tenho tolerância para os seus 250.000 espirros diários versão japonesa. ACTHÔOOOoooooooooo!!!!!!!!!!!!! 

No fundo, eu preocupo-me porque sou egoísta. Porque queria que ele corresse sem ficar com a língua de fora passados 5 minutos. Porque tenho mais o que fazer do que pedir-lhe pela enésima vez "espirra como se estivesses no banco, usando a tua voz interior". Mas lá no fundo, no fundo, para que ele perceba como eu me sinto quando ele espirra, gostava era de o ver nem que fosse uma vez a fazer isto:




Comments

  1. Os meus dois cêntimos.
    Primeiro: parar de fumar. É o mais difícil, mas é o que trará mais benefícios a médio e longo prazo. Conheço algumas pessoas que tiverem sucesso com as pastilhas de nicotina. Caso não resulte, tentar levar essa pessoa a uma enfermaria de Pneumologia cheia de ex-fumadores. Estas pessoas dependem de uma botija de oxigénio, até para lavar os dentes e pentear o cabelo. Para não falar do cancro do pulmão, extremamente agressivo e com uma sintomatologia pobre, detectando-se muitas vezes já demasiado tarde.


    Segundo: consulta de Alergologia com um Imunoalergologista. Só um médico especializado nesta área tem competências para diagnosticar uma alergia e além disso também pode tratar a asma.

    Terceiro: o Symbicort não é para ser usado de modo leviano. Mas o seu uso está aprovado como terapêutica de manutenção para casos de asma.

    ReplyDelete
  2. O médico que consultámos é simultaneamente pneumologista e imunoalergologista (Prof. Raul Amaral Marques, conheces?). Foi ele que lhe recomendou a medicação e também a médica de família está a par disto. Ambos afirmam o mesmo, que ele pode tomar diariamente o symbicort para prevenir outro bronco-espasmo, mas se tentasse dia sim dia não e depois fazer o desmame para eventualmente só precisar em SOS... só que ele não quer porque isso significaria cortar também no tabaco. Eu já lhe disse que o levava a essas consultas para ele apanhar um susto valente, mas depois refila comigo. Ele já viu pessoas de família morrerem com cancro e mesmo assim não vai lá... E em relação às pastilhas, o P. experimentou-as (antes de me conhecer) e fumava ao mesmo tempo que as mastigava. Sim, ele é bastante teimoso... Obrigada pela ajuda, na mesma. Se tiveres mais sugestões, são mais do que bem vindas!

    ReplyDelete
  3. LE, fazes tu muito bem! Deixa que te chame de chata, mas não desistas.
    A minha experiência: o J. deixou de fumar quando começou a namorar comigo (era para me agradar e funcionou); a minha mãe não deixou de fumar por eu a chatear, mas porque uma amiga tinha deixado e ela quis ajudá-la, ao não fumar à frente dela, e entretanto também largou; o meu pai apanhou um susto, infundado é certo, mas que o fez largar o tabaco; essa amiga da minha mãe deixou com essas pastilhas. Portantoooo, isto para dizer que um dia ele vai saber que é a hora de uma maneira ou de outra. Até lá vai tentando de tudo na mesma!
    Ehhh! Fartei-me de escrever! Mas é que eu sou totalmente anti-tabaco pelas razões todas, que devem ser as mesmas que as tuas.
    Boa sorte! Fico a torcer!
    xoxo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu tb ja fumei e sei o quando custa deixar, mas tb sei que nao é impossível. E eu nao tinha metade destes argumentos para o fazer...

      Delete
  4. Até me apeteceu dizer uma asneira, pah! Isto podia ser a eu a escrever sobre o B.!!! Tirando o bronco espasmo! Ainda! Eu acho que só vou conseguir que ele deixe de fumar quando fizer um filme com imagens cruas sobre cancros e relatos e assim...chateia-me tanto que discuto com ele à pala do tabaco N vezes!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Nao aprendem nao... Mas quando fizeres essa montagem depois manca para cá que eu faço uma movie night cá em casa com direito a pipocas e tudo! ;)

      Delete

Post a Comment

Popular Posts