As 7 vidas do Forlán.

A primeira foto decente do Forlán, no meu colo e embrulhado no meu casaco.

22 de Novembro de 2010.

Depois de uma aula que não durou 2h, mas sim 3h30 sem intervalo, saí do ISCTE por volta das 21h30 disposta a dar boleia a uma colega. Do parque de estacionamento às escuras comecei a ouvir um miado que mais parecia um choro. Fui averiguar... e estava um gato bebé debaixo de um carro!!! Todo molhado da chuva e mascarrado do óleo dos carros, deve ter-se perdido da restante família no parque. Fui buscar uma taça com comida de gato (sim, eu trago sempre isso no carro para o caso de encontrar um animal esfomeado na rua...) e servi-o. Foi comendo avidamente e à medida que se aproximava, deixava que lhe tocasse, a medo. Quando se aproximou o suficiente, peguei-lhe e não ofereceu resistência. O seu coração batia sem parar. Despi o casaco, embrulhei-o e a Inês levou-o ao colo. Não conseguia deixar o gatinho ali sozinho à chuva e no escuro. Pouco depois começou a ronronar como um motor e a "amassar o pão".

Liguei para o P., que entre gritos, aceitou levar a transportadora do Che até ao Saldanha. A Inês foi apanhar o metro e dali fui ao Hospital Veterinário da Estefânia.

O médico disse que o gatinho estava de óptima saúde, não tinha febre, fez análises ao sangue e não acusou nada. Teria cerca de 3 meses. Comprei anti-desparasitante interno e externo e preparei-me para enfrentar a "fera" em casa, ou as feras...

Quando estava a levar o gatinho da clínica para o carro, a transportadora abriu-se, o gato caiu no chão com um estrondo, assustou-se e enfiou-se debaixo de um carro. Daí trepou para dentro do motor e mal o via, até que começou a rosnar. Com a ajuda de um segurança, da sua lanterna e de outro veterinário, deitei-me no chão todo sujo, meti-me debaixo do carro e agarrei na pata do gato. Não o conseguia puxar pela frente, então peguei-lhe no rabo e puxei-o. Era isso ou deixá-lo lá. O gato bufou, gritou, mas lá o consegui arrancar do meio dos tubos e enfiá-lo na transportadora.

Pelo caminho fincou-me os dentes nos dedos umas 3 vezes... Mal dei conta. Fui com a mão toda suja e a sangrar para dentro do veterinário para a desinfectar. Como o dedo inchou logo e já me doía o braço, mandaram-me para o hospital. Pensava que ia levar uma injecção contra o tétano e outra de penicilina, mas vim para casa com uma receita de anti-inflamatório e antibiótico. Se não morrer com uma infecção generalizada causada pelas dentadas de um gato vadio, fico com uma história fixe para contar!

O P. está prestes a mandar-me dois socos porque sou demasiado impulsiva... quer dizer estava, até ter visto o gatinho. Agora ele dorme, o T1 está dividido em duas zonas de quarentena para que os gatos só se cheirem mas não se cruzem e o gatinho bebe água. O Che já parou de miar e provavelmente acomodou-se na cama com o P.

Que noite... Ah, chama-se Forlán! O P. não quis Obama e eu não quis Fidel... ;)

Já em casa!
  Dentro em breve, as 6 vidas do Forlán... 

 

Comments

  1. Qe miminho de gato:))

    Http://styleloveandsushi.blogspot.com

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada! O teu Sushi tb é um encanto ;)

      Delete
  2. Oh, Forlicas...tudo o que é pequenino é giro que se farta:))) Já viste a minha Joanecas quando era bebé? Juro que era a bebé gata mais linda do mundo:P

    ReplyDelete
    Replies
    1. não, onde tens fotos dela? lá no blogue?

      Delete

Post a Comment

Popular Posts