Detalhe.

Sou muito sensível a pequenas coisas. Ele diz-me que tenho uma capacidade para o detalhe invulgar na maior parte das pessoas e eu sei que não é um elogio. Não tenho culpa de ter o cérebro treinado para o pormenor, para as incongruências, para os actos falhados e as desculpas esfarrapadas. A maior parte das pessoas não analisa o que faz e o que diz como eu o faço, nem antes nem depois. Eu preocupo-me com os detalhes, relembro as conversas com toda a pontuação, intuo uma asneira ainda ela vem a caminho. As minhas e as dos outros, infelizmente. "Não leves a mal, ela não fez com intenção, só tu é que ligas a essas coisas, toda a gente é egoísta e quando pensa em si nem sequer considera o impacto que terá nos outros" - é o discurso que mais oiço quando, frustrada, me queixo que nada acontece por acaso e ando à cata de todos os ses e porquês. Gostava de afirmar que esta minha característica me destaca da multidão, me faz mais feliz, mais rica, mais realizada, mas não. Apenas me torna mais cínica, mais hipócrita, mais desconfiada. A razão de todos estes pequenos actos de que me vou apercebendo acontecerem ao mesmo tempo, a síntese das intenções, a essência do que somos está em cada movimento, involuntário ou não, e eu consigo vê-los como se de uma partitura se tratasse e que todos seguimos, eu incluída. E depois fico a reflectir, páro para compreender, analisar, juntar todos os pontos até ao desenho final. As pessoas são tão fáceis de perceber, mas ninguém se dá ao trabalho de o fazer. Não sou eu que tenho uma particular inclinação para o detalhe, são os outros que o desprezam porque se encontram demasiado enfiados no seu próprio umbigo para perceber que tudo se move em teia, que uma borboleta bate as asas e nós espirramos, que um furacão no hemisfério sul está dependente dos ventos no hemisfério norte. Mas como mais ninguém parece fazê-lo, eu sinto-me uma espectadora impotente num mundo que se move em uníssono.


Comments

  1. Até hoje, só houve uma pessoa que me conseguia ler na perfeição. Ou melhor, secalhar só uma mo soube dizer e de maneira perfeita. Mas eu também me afirmo uma gaja perspicaz, não sei se ao teu nível, mas não são raras as "perspicácias" que vão lá bater, certinho direitinho;)

    ReplyDelete
    Replies
    1. chama-lhe instinto ou outra coisa qualquer. o que é verdade é que raramente sai errado...

      Delete

Post a Comment

Popular Posts