E esta mania...

... de sairmos todos em casalinhos? Chegamos a uma determinada idade e só sabemos andar com o apêndice atrás porquê? Onde está escrito, quem convencionou ou a que tratado se refere? É que graças a estas burguesisses, eu acabo sempre a aturar a namorada do M. que é turca e adora dizer mal de Portugal [é assim, em relação ao meu país, aplicam-se os mesmos princípios referentes à minha família: lá porque eu refilo, não quer dizer que tu possas fazê-lo também; não é racional, é emocional e acaba aqui a conversa; além disso a família é uma cruz para a vida inteira, enquanto que tu podes sempre re-emigrar para outro lado qualquer ou mesmo voltar para o teu país que nós cá não sentiremos a tua falta], ou a namorada do V. (graças a Deus já é ex há algum tempo) oriunda da República Checa e que também odiava cá estar ("o IKEA em Praga é muito maior!!!!" - é assim tão grande que não podias ter lá achado uma estante Billy onde te pendurares? Hmm...? Não...?) ou a noiva do D. que adora relatar-me as maravilhas das Novas Oportunidades ou da mais-valia em que consiste ter o CAP, inserindo na mesma frase quase todas as palavras que mais odeio: "valências", "formação" e "NOVAS OPORTUNIDADES"!!! E aquela que me impingia cremes que vendia por catálogo que eu comprava por solidariedade (e porque na altura tinha mais dificuldade em dizer que não) e depois vai-se a descobrir e andava a comer o PT do Holmes? Se eu às vezes nem dos amigos dele gosto, quanto mais das namoradas e das mulheres dos amigos, porque me fazem passar por este tormento então?... Porque é que se tornou socialmente mais aceitável sairmos a quatro ou a seis quando o que eu gosto é de seres individuais e o que me podem trazer de bom e não me dão oportunidade de escolher nestes casos em que vêm os apêndices agarrados à rama? 
E pronto, lá passo eu pela anti-social que nunca quer estar com ninguém. É preferível não estar do que estar contrariada e não ter muito mais para acrescentar porque simplesmente são pessoas que não escolhi para ser minhas amigas e me são impingidas na mesma. Sim, há excepções. Há sempre excepções! Mas hoje, vá-se lá saber porquê, não estou a lembrar-me de nenhuma.


Comments

  1. Oh páaaa eu podia ter escrito este texto, mas mudava as nacionalidades. Mudava para Filipinas. SINTO EXATAMENTE ISSO!! Tudinho o que disseste MESMO. Não há pachorra para ouvir dizer que o nosso SNS é mau (sim ele é mau, mas REALLY?! é melhor nas Filipinas?!) e pronto é isto. Lá vem sempre o apêndice atrás queixando-se de suas maleitas em Portugal. Não aguento. É como dizes, eu posso falar, mas não suporto muito que outros falem.
    E depois há outros apêndices que não aguento, porque falam como se não houvesse amanhã e eu às vezes gosto de me distrair e tenho de estar sempre muito atenta, senão não consigo acompanhar tudo. E outros que tais!

    ReplyDelete
    Replies
    1. no sábado estive num jantar com a turca e por pouco que não lhe respondia "mas se portugal é assim tão mau, porque não voltas para a tua terra?". faltou assim um milímetro para uma resposta dessas. se é errado e falta de educação dar esta resposta, porque é que ela não entende que o mesmo se aplica às críticas indiscriminadas que faz a portugal? até parece que a turquia é o paraíso...

      Delete

Post a Comment

Popular Posts