E porque hoje fazemos 7 meses de casados...

Há determinados detalhes referentes ao casamento que me incomodam. Fazem comichão, vá. A mim, aos outros não têm necessariamente de causar o mesmo efeito. Mas como ainda não criaram anti-histamínicos para a alma e a melhor terapia (ou exorcismo) que conheço continua a ser a escrita, cá vão eles:


1. Alianças. Ele não quis sequer mandar fazer uma para si porque não consegue usar nada nos dedos, eu tenho uma que raramente coloco. Sei que há pessoas cujos respectivos não usam e não é por isso que se inibem de o fazer. Para mim não funciona assim. Ou é algo que usamos ambos, ou quando ando por aí com a minha aliança enfiada no dedo, sinto-me como uma jarra sem o seu par. Além disso, incomoda-me ter que sentir que "devo" usar seja o que for até ao fim dos meus dias (ou do casamento) porque assim é que deve ser. Pois, só eu preciso de saber que estou casada, mais ninguém. Bom, e o fisco.

2. Mudar de nome. Seria INCAPAZ de acrescentar um apelido e usá-lo em alternativa ao que usei a vida toda apenas porque me casei. Se ele quisesse ficar com o meu apelido, eu aceitaria o dele também. Caso contrário, estes desequilíbrios de género são coisas para me porem logo a queimar soutiens na Praça do Comércio.

3. A mulher/o marido. Detesto. É muito possesivo ele dizer que tem "uma mulher", enquanto que eu tenho apenas "um marido". É um tipo de tratamento que gosto de reservar apenas para ir às finanças preencher requerimentos e, muito sinceramente, "namorado" soava-me muito mais doce. Quero namorar a vida toda! Como não me posso referir a ele quando falo com terceiros como sendo "o meu homem" sem soar boçal, raramente o fazemos também. Há também a alternativa esposo/esposa, mas essa prefiro usar apenas quando ouvimos, em êxtase, cânticos gregorianos na missa.

Paneleirices, convenções parvas e tradições à parte, ainda sinto borboletas no estômago quando me lembro que estamos casados. Acho que a isso se chama Amor. E para mim chega e sobra.

Pinterest

Comments

  1. Parabéns!!! Que venham muitos e muitos mais meses de puro amor :)

    ReplyDelete
  2. Só não pratico o número um. Já ía perdendo a aliança várias vezes. Normalmente, a lavar as mãos e uma vez a jogar ténis.
    Apesar de ter casado há mais de um ano, continuo a achar toda a cerimónia e restante envolvente, um circo. Só o fiz por causa do amor por uma pessoa fantástica.

    ReplyDelete
  3. Esqueci-me dos Parabéns. ;)

    ReplyDelete
    Replies
    1. obrigada :) nós só praticamos o número 3, porque as alternativas também não são as melhores. concordo em pleno com o que disseste sobre a cerimónia.

      Delete
    2. O número dois também não. Imaginas que foi motivo de discórdia familiar? Porque raio alguém tem de mudar de nome quando se casa? Irra, o casamento serve d

      Quanto ao número 3, chamo-a pelo nome, como sempre fiz. Mesmo quando era namorada.

      Delete
    3. Não percebo o porquê de gerar discórdia familiar quando o casal está de acordo. Parece-me uma questão de aparências ou de tradições que já perderam o sentido. Cá em casa ninguém chateou em nenhum aspecto, só se metem comigo por não usar aliança (e mesmo assim só a minha irmã). Eu digo sempre o (...) para cá, o (...) para lá e peço-lhe que quando falar com outras pessoas me trate pelo nome, só se for preciso especificar o tipo de relação ou em contextos que o justifiquem (como as finanças!) é que utilizamos o "marido/mulher". Mas gostava imenso de dizer "o meu namorado", depois achei que "namorado" já não dizia tudo o que éramos um para o outro e quis o "marido". Agora que o tenho, sai-me mais frequentemente o "namorado". Sou uma pessoa estranha... acho que no fundo os rótulos e os conteúdos não estão em sintonia. Seja como for, gosto de estar casada com ele, é algo que vem de dentro para fora e, como quis demonstrar neste texto, nunca de fora para dentro. Já pareço um pouco menos estranha? ;)

      Delete
  4. Sempre disse que ia ter o meu nome até ao fim. Se ele adotasse o meu, eu até colocava o dele antes do meu também (até porque é um nome que gosto), mas como último nome, nunca.
    Chamar marido soa-me muito mal também...gosto de namorado, mas ainda mais de "xuxu" ou "paixão", não há cá "amor" para ninguém, esse só para a (minha) bicharada! (Sou uma pirosa eu sei,muahaha!)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sim, eu no outro dia reparei no "oh xuxu, as prateleiras já estão montadas?". LOOL!
      Eu se adoptasse o nome dele tinha de fazer grandes alterações ao meu nome no seu todo, provavelmente prescindia do último apelido que compõe o meu nome porque não o utilizo (mas que ultimamente tem dado bastante jeito nesta coisa das internetes!) Tu percebes o que quero dizer... ;)
      O problema agora é: será legítimo inscrever os futuros filhos no benfica mal nasçam, como ele quer e diz que deve ser porque é o que se faz na família dele? E porque é que o último apelido das crianças tem de ser o dele e não o meu? Eu até o deixava inscrevê-las no raio-que-os-parta futebol clube se pudesse pôr o meu apelido no final, mas ele quer ambas as coisas. É por isso que temos gatos - SURPRESA!!! E o Che é do Sporting... :p

      Delete
    2. Não há legitimidade nenhuma nessa ação, afianço-te já eu!! :P E, já agora, os meus pêsames ao Che, diz-lhe que o percebo... *mão no peito à mitra (iô, peace!)
      (se não perceberes é porque não és da margem sul, eu depois explico:P)

      Delete
  5. Parabéns. O que importa é o amor que une as pessoas, é a única coisa que perdura.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada. Que perdura e que as deve unir! :)

      Delete
  6. És mais esquisita do que eu no que toca a casamentos :P Mas o importante é teres tido o teu/vosso dia à vossa maneira e estarem felizes!
    Olha, a única coisa que não gosto nem aceitei foi o apelido dele. Eu até disse que só aceitava o dele se ele "adoptasse" também o meu, ficando o meu em último só para o desencorajar mas saiu-me o tiro pela culatra! Mas ele aceitou. Mas eu fazia questão em não adoptar o nome de ninguém, não encaro como nenhum acto de romantismo (afinal é a primeira coisa a retirar em caso de divórcio, e é tão fácil trocar de apelidos!), nem considero-me menos ou mais familia dele ou dos nossos futuros filhos (se tiver) só por partilhar o mesmo apelido. Eu só adopto animais! LOLOL.

    Bjokas.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ahah! Gostei da estratégia dos apelidos. Sim, sou muito esquisita com casamentos e foi um filme fazer tudo como imaginámos. Curiosamente ou nao, ainda na semana passada me disseram que foi a melhor festa a que tinham ido, tudo impecável precisamente por nao ter protocolos e circos montados. Mas adoro ir aos casamentos dos outros e ver como cada um vive o seu dia. Sou a primeira a chorar quando entram os noivos e emociono-me sempre, mesmo quando são praticamente estranhos para mim. Para mim, teria de ser outra coisa, mas fico genuinamente feliz pelos outros. O meu problema com o matrimonio é precisamente quando vejo grandes casamentos montados e tradições levadas ao pé da letra para depois na hora da verdade virarem as costas uns aos outros. Conheci demasiados casamentos que nem um ano duraram e seriam os primeiros a criticar os dos outros. Um beijo de parabéns tambem para voces*

      Delete
  7. Acho que mostraste com tudo isso que escreveste que alianças, nomes do marido e estrelinhas e nininins não têm importância nenhuma. O que importa são vocês e o que vocês sentem um pelo outro e que mostram diariamente UM AO OUTRO e não ao resto do mundo.
    Olha eu estou com o J. há 7 anos, vivemos juntos há uns 3 anos, nem sei bem e não contamos casar-nos, simplesmente porque não nos apetece preparar tudo lol
    PORISSO entendo perfeitamente tudo o que dizes e aplaudo.
    Ah e parabéns aos meninos weeee ;)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Nós conhecemos-nos há 8 anos e meio, vivemos juntos há 8 e casamos há 7 meses. Fico muito feliz de o ter feito, mas nao me teria casado de outra maneira que nao a minha. E o mesmo vale em relação ao resto. Sabes que ele chegou a nao ser convidado para um casamento comigo porque nao éramos casados na altura, apesar de vivermos juntos ao tempo e mt mais do que outros casados? Claro que me recusei a ir. É incrível como as pessoas ligam mais às aparências e aos rótulos do que aos valores, neste caso amizade e amor. E sabes que mais? Esse foi o casamento do meu melhor amigo, com quem nunca mais falei. Outra coisa boa dos casamentos é que descobres quem é realmente teu amigo e no meu descobri a careca a alguns. Obrigada*

      Delete
    2. São os chamados amigos da onça e isso de não terem convidado o teu namorado para aquele casamento. OH MEU DEUS! Ainda existem pessoas assim? Desconhecia!

      Delete
    3. existem sim e é surpreendente como são as pessoas mais próximas as que mais facilmente se dão ao luxo de fazer tais coisas...

      Delete

Post a Comment

Popular Posts