Meatless Monday - Curgete recheada.


♥ Lovely Sponsor



Aqui está a minha segunda participação na iniciativa Convidei para Jantar (na altura avisaram-me que poderia ficar viciada e eu não liguei, por isso, pimenta na língua!!!). Tal como todos já sabem, este desafio surgiu no blogue Anasbagueri e é recebido de braços abertos por diferentes blogues anfitriões. Desta vez a honra coube ao Pão de Cereais que nos pediu uma receita subordinada ao tema "Outra Geração de Família" e que respeitasse a filosofia do blogue: sem carne, produtos lácteos ou açúcar. Portanto, uma receita perfeita para as minhas segunda-feiras sem carne.

Se tivesse oportunidade, não sentaria à mesma mesa apenas uma geração. Sentaria pelo menos 3. E não abrangeria apenas a família de sangue, incluiria pessoas que não partilham laços de consanguinidade mas cujo único elo de ligação sou eu. E gostaria de sentá-las comigo à mesa, mortos e vivos, passado e futuro. É pedir muito? Então eu explico. 

Convidaria para jantar a minha Avó Ivone. Convidaria a minha Avó para jantar, para lanchar, para almoçar todos os dias da minha vida, se pudesse fazê-lo. Já sei o que é viver sem ela e não gosto. Não gosto mesmo nada deste sentimento de abandono e de desorientação. Se a minha avó fosse viva, dia 6 teria feito 91 anos. Mesmo se não tivesse morrido repentinamente aos 70 anos, é pouco provável que tivesse chegado aos 91. Mas não consigo deixar de pensar como teriam sido diferentes os últimos 20 anos que não a tive por perto, a aconselhar-me, a acolher-me, a amar-me. Por isso à mínima oportunidade convidá-la-ia para jantar. E não largaria a sua mão o tempo todo.

Por muito que gostasse de me sentar à mesa apenas com a minha Avó Ivone, perguntando-lhe como passou os últimos anos sem mim, se sentiu tantas saudades minhas como eu dela (durante muito tempo convenci-me que só precisava de virar a esquina certa para a encontrar do outro lado à minha espera envergando o seu sobretudo bordeaux), sei que deveria aproveitar essa oportunidade para convidar outras pessoas para que também elas pudessem usufruir da sua presença. Não posso ser egoísta com a minha Avó. Por isso convidaria as minhas irmãs, que não são suas netas porque não temos a mesma mãe. Gostaria que se conhecessem, porque, devido à nossa diferença de idade, sempre me senti um pouco como mãe delas e "eduquei-as" como a minha Avó me educou a mim: contei-lhes histórias para dormir até só me sobrar a História de Portugal e o complexo de Édipo mal resolvido entre D. Afonso Henriques e a sua mãe; fui para a varanda com elas soprar bolas de sabão por canudos de linha de coser embebidos em sabão de cozinha; ensinei-as a bater bolos, perpetuando as tardes passadas com a minha Avó na cozinha em Leiria; cantei-lhes o "Papagaio Louro" enquanto lhes batia suavemente nas costas para que adormecessem. Se a minha Avó não tivesse existido, as minhas irmãs não teriam ouvido as minhas histórias à noite, não teriam soprado bolas de sabão improvisadas, ninguém as teria chamado para lamber o Salazar nem me teriam ouvido cantar desafinadamente até ao sono chegar.

Mas a passagem do testemunho não morreria aí. Convidaria mais uma pessoa para jantar: o meu sobrinho. Aquela coisa mais linda, mais doce, mais gorda, mais loura, mais querida que me faz sorrir sempre que me lembro dele a pedir que cantemos à vez o Manamana, a correr disparado em direcção ao sítio menos seguro da casa e nós a corrermos atrás dele, a responder vezes sem conta quem é a sua tia favorita até que acerte no meu nome, a despedir-se com um "xau xau bebé" à sua imagem no espelho. E o seu cheirinho a bebé, mesmo com dois anos de idade?!... Viciante!!! O meu sobrinho nasceu precisamente dois dias e muitos anos depois da minha Avó. Gostava tanto que ela tivesse conhecido o seu bisneto e visto como o seu neto se tornou num pai extremoso. Certamente que se orgulharia dele e do trabalho que fez, também, a educá-lo.Gostaria que visse os frutos de horas a insistir que um cavalheiro nunca se senta antes de uma senhora e que deve sempre abrir-lhe a porta, que não há problema em chorar quando leva uma injecção no médico porque isso não faz dele menos homem e que deve aprender a fazer tudo em casa para ser independente.

Sentaria todas estas gerações à mesa. Eu até poderia ficar ao longe a observar como interagiriam, observando as várias maneiras como as famílias encontram pontos em comum para superar as suas diferenças que transformam indivíduos distintos em algo que as supera e engrandece. Acho que sairiam todos mais ricos desta experiência. Não sei como, mas gostaria de sentá-los a todos à mesa e presenteá-los com esta curgete recheada de baby rice (para o bebé não estranhar) com salsicha de soja salteada e carregada dos benefícios dos frutos secos, aqui representados pelos pinhões. Comida saudável. Para que pudéssemos todos viver muitos e felizes anos. Juntos.

[Agora um pormenor curioso: convidei uma data de gente para jantar mas só comprei uma curgete...]

~ Ingredientes ~
1 curgete redonda 
1/2 cebola
1 dente de alho
azeite 
sal
1/2 chávena de baby rice Bom Sucesso
1 chávena de água a ferver
1 1/2 salsicha de soja partidas em bocados pequenos
 pinhões


Começar por fazer o arroz seguindo a regra de 1/2 chávena para 1 chávena de água. Retirar a polpa da curgete com uma colher e parti-la em bocados. Saltear o dente de alho e a cebola picados no azeite, acrescentar a polpa da curgete e a salsicha. Deixar cozinhar e no final adicionar os pinhões. Juntar ao arroz e rechear a curgete, que será levada ao forno a 200º cerca de 20m.


Comments

  1. As avós têm sempre uma marca importante em nós!! E sentimos sempre a falta delas por mais que passe o tempo!!!
    Olha que comprares so uma courgette? Mas onde há amor, tudo chega!! Bem dividida, chega para ti, para a avó e para quem tu queiras!!
    Gosto da courgette!!
    Beijinhos

    ReplyDelete
  2. Adorei o texto e essa courgette :)
    Beijinhos :)

    ReplyDelete
  3. Gostei muito do teu texto :) Pelo que leio aqui, mas também pelo que falamos por mail, digo-te que pareces ser uma pessoa extraordinária e muito interessante :)

    Eu também gosto de courgette redonda recheada, e como o Pedro não come também compro sempre uma :P É um erro compreensível ;)

    Beijinhos e tem um óptimo feriado :D

    ReplyDelete
  4. Estas courgettes andam a persseguir-me pela blososfera e ainda não as encontrei "ao vivo"!! Adorei ler o teu texto e esta participação.
    Beijinho e bom feriado!

    ReplyDelete
  5. Que aspecto delicioso. Raramente uso courgettes!
    Beijinhos :)

    ReplyDelete
  6. Deve ser mesmo uma delicia:) mas está tão bonitinha que até dá pena comer...:)

    Http://styleloveandsushi.blogspot.com

    ReplyDelete
  7. Está com um aspecto apetitoso!
    Também gosto muito destas courgettes.

    ReplyDelete
  8. Uma curgete bem recheada e uma excelente participação no desafio.
    Gostei imenso o teu texto, da forma como escreves os sentimentos.
    Bjns
    Isabel

    ReplyDelete
  9. Maria,
    Obrigada pela participação, a receita é muito interessante (assumo, naturalmente, que a receita correspondia a uma dose por pessoa...) e cumpre os requisitos do blogue paodecereais. Gostei particularmente da junção das várias gerações, pois é algo que, animando a vida dos mais idosos, gera teias de cumplicidade inter-geracionais e permite a passagem de valores e de exemplos.
    Bjs e espero que continues a visitar-nos em http://www.paodecereais.blogspot.pt/!

    ReplyDelete
  10. Maria,
    Obrigada pela participação, a receita é muito interessante (assumo, naturalmente, que a receita correspondia a uma dose por pessoa...) e cumpre os requisitos do blogue paodecereais. Gostei particularmente da junção das várias gerações, pois é algo que, animando a vida dos mais idosos, gera teias de cumplicidade inter-geracionais e permite a passagem de valores e de exemplos.
    Bjs e espero que continues a visitar-nos em http://www.paodecereais.blogspot.pt/!

    ReplyDelete
  11. obrigada pelos vossos simpáticos comentários! gostei muito de, mais uma vez, participar nesta iniciativa. espero que experimentem a receita e que gostem! beijinhos a todas

    ReplyDelete
  12. Adorei o jantar com as várias gerações da família. Partilhar afetos e uma curgete deliciosamente recheada foi uma ideia excepcional para este tema tão especial. Parabéns pela participação.

    Bjnhos e uma semana maravilhosa.
    http://saborescomtempo.blogspot.pt/

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular Posts