50 factos sobre mim.



A Patrícia do Not Guilty Pleasure deu o mote e eu não resisti e fiz parecido. Pois então cá estão 50 factos sobre mim que provavelmente desconheciam:

1. Tinha nome antes mesmo de nascer, porque a minha mãe sempre disse que a sua primeira filha seria baptizada como a sua avó.

2. Consequentemente, tenho nome de droga (em espanhol).

3. Tenho 1m53 (aproximadamente).

4. Enquanto crescia desenvolvi uma série de complexos graças às piadinhas infames de algumas pessoas. Actualmente gosto de pensar que superei a maior parte deles e alguns dos supostos defeitos apontados são actualmente algumas das minhas melhores qualidades.

5. Não fui baptizada quando nasci porque o meu pai não o autorizou. Quando entrei para a primária num colégio de freiras em Leiria, todos os meus colegas eram católicos praticantes, nenhum tinha acabado de se mudar de Lisboa para aquela cidade e os seus pais não estavam a passar por um divórcio. Ouvi muitas vezes de alguns colegas que eu iria parar ao inferno e até uma freira, durante uma aula de catequese, criticou a minha família, mais concretamente, o facto do meu pai se ter casado novamente e estar à espera de um filho desse segundo casamento. A minha solução para este problema foi pedir para ser baptizada urgentemente, o que aconteceu tinha eu 8 anos, na Sé de Leiria, na noite de Páscoa, numa cerimónia oficiada pelo bispo. Na mesma altura fiz também a primeira comunhão. Como os meus colegas de catequese - os mesmos que agoiravam que eu estaria condenada às chamas eternas - só comungaram um mês depois, durante esse espaço de tempo entretive-me a vingar-me deles devido ao meu "estatuto católico mais avançado". E foi esta a lição mais importante que retirei da religião. Actualmente não acredito em nada, mas continuo a ter imenso respeito a freiras.

6. Já parti 3 vezes a cabeça: uma vez ia de mão dada com o meu pai no parque infantil, tropecei e abri um lenho; da segunda vez uma amiga empurrou-me e eu fui com a cara ao chão (o que me valeu também um dente partido e o lábio aberto); a terceira já não me recordo como foi.

7. A minha amiga que me empurrou criou uma alcunha para mim muito simpática. Fui a "Dentes Podres" a infantil toda graças a ela.

8. Quando me nasceram os dentes definitivos e finalmente me livrei da alcunha, aos 10 anos ia a correr na escola com umas botas da Madeira (e sem sola antiderrapante) e parti novamente o dente da frente. Não se preocupem que desde então tenho tido imenso cuidado e mantenho todos os dentes no sítio. Apenas um deles não é originalmente meu, mas em retrospectiva parece-me que não estava destinado a sê-lo.
9. Parti o braço uma vez (caí de uma cadeira onde me estava a baloiçar apesar de me mandarem estar quieta).

10. Parti o pé quando ia a andar tranquilamente na escola e o assentei mal no chão. Disse assim: "acho que parti o pé", o que um raio-x no dia seguinte confirmou.

11. Tinha um Serra da Estrela que adorava, mas uma vez com ciúmes do meu outro cão que estava sentado no meu colo, saltou para o morder e acabei eu no hospital. Tenho uma cicatriz junto ao joelho esquerdo que serve de prova.

12. Quando tinha 7 anos voei de um carrossel na Feira Popular e fiz uma fractura exposta num dedo. A história é muito longa, ficará para outra altura.

13. Tive um acidente de carro aos 20 anos e que resultou em mais duas operações plásticas. A primeira foi aos 7 anos. Foram todas à mão direita porque aparentemente sobrevivo a tudo, mas o dedo e a mão pagam a factura. Fui sempre operada na Clínica de Todos os Santos, em Lisboa. Nos dois acidentes que tive, foi sempre o meu pai quem me levou ao hospital, quem esperou por mim nas urgências e quem viajou comigo na ambulância. Porém, sempre que fui operada, não esteve presente porque a minha mãe também lá estava.

14. Como consequência destes acidentes tenho dificuldade em agarrar numa caneta e escrever normalmente, apesar de ser dextra. Dou-me melhor com teclados.

15. Subitamente senti que deveria publicar aqui uma fotografia minha de corpo inteiro para que não ficassem com a ideia de que sou uma espécie de mini-Frankenstein. Porém, não irei fazê-lo porque preservo a minha privacidade e esse é um dos pilares deste blogue. Apesar dos disparates todos que deixo aqui escritos.

16. Tenho uma tatuagem junto ao tornozelo da perna direita. É um símbolo japonês que significa "não deves tomar decisões para a vida toda quando tens 18 anos e passas as férias em Amesterdão num estado de semi-consciência".

17. Outra decisão que tomei nessas férias foi tirar o curso de Antropologia e não de Direito, como a minha mãe queria. Foi assim que lhe dei a notícia, mal aterrei: "Olha, vou inscrever-me em Antropologia". "O quê?!", gritou ela. "Ah, e já agora, fiz uma tatuagem." "O QUÊ?!?!"

18. Conheci uma pessoa que se enforcou.

19. Já impedi que uma pessoa se suicidasse.

20. Tive um irmão que já morreu.

21. Gostava de fazer uma tatuagem sobre mim e os meus irmãos e que eles tivessem uma igual. Cada um de nós tem, pelo menos, uma já.

22. Tenho dois pesadelos recorrentes. Um com ondas gigantes e outro em que parto os dentes. 

23. Só tenho uma avó viva. Esta minha avó quando era jovem tinha medidas de corpo perfeitas, olhos azuis e cabelo louro. Fazia sucesso em todo o lado. Ainda hoje tem um feitio filha da p*ta.

24. O meu avô materno era ruivo e cheio de sardas. Chamavam-lhe "O Cenoura". Era forreta todos os dias.

25. Eu sou morena de olhos castanhos, mas quando apanho sol fico com madeixas num tom louro-arruivado e a cara enche-se de sardas.

26. Casei com um homem muito moreno com mais 30cm de altura do que eu.

27. Sou extremamente hipocondríaca.

28. Alguns dos meus filmes favoritos: Philadelphia, Fight Club, Shame e You've Got Mail. E quase todos os filmes da Disney!

29. Convidei e desconvidei poucos dias antes da cerimónia uma suposta amiga para ser minha madrinha de casamento. Até hoje, não me arrependo. Só lamento ter demorado tanto tempo a perceber a pessoa que ela sempre foi (e sim, eu sei que vens cá ler).

30. Quando fiz os testes psicotécnicos, no topo das minhas aptidões profissionais, apareceu maestrina e bailarina.

31. Aprendi a tocar piano quando era criança, mas actualmente está quase tudo esquecido. 

32. Na escola fui obrigada a aprender flauta. Há um vídeo da turma toda a tocar num sarau e a escorrer cuspo pela parte da frente dos instrumentos.

33. Também tive aulas de ballet durante a primária toda. Deixei-as quando voltei para Lisboa (tal como o piano) porque os meus pais passavam a vida a discutir sobre quem devia e não devia suportar essa despesa. 

34. No 11º ano ganhei uma bolsa do Instituto Alemão e estive um mês a viajar e a estudar por esse país. Por falar nisso, tenho de voltar às aulas de alemão...
35. Interpretei os papéis de protagonista em duas peças de alemão na escola e adorei.

36. Durante muitos anos respondi que queria ser actriz quando crescesse.

37. Eu sei que é cliché, mas a minha sogra é uma pessoa horrível. Já me tentou ficar com um gato, inventa mentiras sobre mim e tem a moral dos irmãos Metralha.

38. Conheci o meu marido no dia 16 de Junho de 2004 (sei a data porque vimos juntos um jogo do Europeu em que Portugal defrontou a Rússia e ganhou 3-0). Casei-me exactamente 8 anos depois, portanto este ano comemoraremos o 10º aniversário. Estou a contar com um anel de diamantes - no mínimo - já que nao tive direito a anel de noivado nem a pedido de casamento. Foi uma negociação.

39. Detestei todas as universidades portuguesas onde estudei (nomeadamente, a Nova e o ISCTE). Gostei muito de viver e estudar em Cambridge e lamento imenso não ter ficado para o doutoramento. 

40. Tal como a Patrícia, a minha escritora favorita também é a Isabel Allende. Concordo que não é a melhor de sempre e que a sua escrita não terá a qualidade de outros da mesma escola (como Gabriel García Márquez, por exemplo), mas os seus livros sempre me encheram a cabeça de um sem número de possibilidades e sonhos. Volto muitas vezes a relê-los quando sinto algo a falhar na minha vida e procuro uma resposta. Um dos momentos altos da minha existência foi tê-la conhecido pessoalmente em Londres, como podem ver aqui.

41. Tenho outro autógrafo que guardo com muito carinho, o do Jim Parsons da Teoria do Big Bang. Consegui-o quando o vi ao vivo numa peça em Nova Iorque durante a minha lua de mel.

42. Quando o meu marido me chateia o juízo, digo-lhe que só me casei com ele por duas razões: para ir a Nova Iorque ver a peça com o Jim Parsons e para ter direito a usufruir do SAMS.

43. Odeio gente pouco original, que me imita, sem personalidade própria e que projecta as suas inseguranças em mim. É enfiá-los a todos dentro de um saco e deixá-los lá até que se calem.

44. Tenho muita dificuldade em esconder as minhas emoções. Quando é para chorar, faço-o em qualquer lado. Quando é para rir, abro a boca toda e solto sonoras gargalhadas. Quando não gosto de alguém, as pessoas percebem logo.

45. O sentido de humor é a minha melhor defesa. E ataque também, porque apenas com 1m53 e 50kg, por muito boas que sejam as minhas intenções, não consigo acertar em ninguém com um soco. Já caneladas...

46. Nunca vou deixar de sentir saudades da minha Avó que me criou e morreu há quase 21 anos. Dói sempre.

47. O meu melhor amigo é gay e eu soube-o antes dele.

48. Já fumei e já deixei de fumar. Actualmente só pego num cigarro em duas situações: se estiver muito enervada ou se estiver com os copos. Nos dois casos - que são esporádicos - nunca consigo dar mais do que duas passas.

49. Gosto mais dos meus gatos do que da maioria das pessoas que conheço.

50. Se me dessem a possibilidade de mudar alguns momentos da minha vida, seriam estes:
- não entraria naquele carrossel;
- não entraria naquele carro;
- teria ficado a estudar em Cambridge;
- teria dito todos os dias à minha Avó que não havia ninguém no mundo de quem gostasse mais do que dela.

Comments

  1. :D É tão giro descobrir estas coisas!

    E temos aqui mais coisas em comum que não falei no meu, como a altura, o termos um marido que nos enfia debaixo do braço, também estamos juntos à 10 anos (mas olha, eu cá não recebi nenhum bling bling, snif!!), adorei o Philadelphia (choro SEMPRE!) e o fight club (que filme brutalíssimo) e também já parti o dente da frente 2 vezes.

    Dei uma grande gargalhada com a 15 (não tens tido sorte com os teus ossinhos, possas!!), 16, 32 e 42.

    E...tens um autógrafo do JIM PARSONS??? Um da Isabel Allende e outro do Jim Parsons??? Estou oficialmente invejosa! Só tenho um da Carla Andrino e outro do Gonzo dos Excesso que tenho a certeza que é falso porque foi dado pela prof de música no 5ºano a todas as raparigas da turma, eu acho que ela queria era que nos calássemos.

    Adorei ler :) beijinhoo*

    ReplyDelete
    Replies
    1. ah, eu também não tenho o bling bling! tenho uma aliança de casamento, mas ele nem isso porque aparentemente é "claustrofóbico nos dedos". enfim... mas seja como for, eu também não uso. é só para os dias especiais ou uso-a apenas como amuleto quando preciso de sorte para alguma coisa. ;)
      na realidade são os únicos autógrafos que tenho e gosto muito que sejam de duas pessoas que admiro imenso. se ajuda a que te sintas um nadinha mais invejosa, uma vez cruzei-me com o gonzo numa discoteca. jealous much? :p
      beijinhos

      Delete
    2. naaaa, eu nem gostava assim tanto dele. Agora, se te tivesses cruzado com o Nick Carter aí a conversa era outra ahaha :P

      E se te tivesses cruzado com o Johnny Depp caía já aqui fulminada com ataque de invejite aguda.

      Delete
    3. já me cruzei com o beckham, não sei se ajuda... :p

      Delete
    4. Também foi um bom "cruzar" ehhe :P mas se calhar mais depressa pedia um autógrafo à spice girl :P

      Delete
    5. ela também lá estava, mas isto aconteceu há uns 15 anos atrás, por isso nessa altura não gostava nada victoria. agora gosto imenso do estilo dela e seria capaz de lhe pedir um autógrafo. nesse dia ela viu um grupo de miúdos a ir na sua direcção e do beckham e foi chamar um segurança. que diva...

      Delete
  2. Que giro, Maria! Já me ri a bom rir com as tuas peripécias e desastres (não com os desastres propriamente ditos, entenda-se)! Tu tens mesmo queda, rapariga! ;) Acho o máximo descobrir tantas coisas em comum que temos, para além da semelhança do nome... a minha escritora de eleição também é a Isabel Allende, seguida de muito perto pelo Gabriel Garcia Marques! O meu melhor amigo de infância era gay, infelizmente, morreu com Sida (os anos 80 foram complicados). E somos casadas com bancários... serão colegas? ahahaha
    E eu também sou transparente... nunca consigo a proeza de esconder uma emoção e isso já me tem trazido alguns momentos complicados, principalmente em ambiente de trabalho!
    Uma boa semana, querida!
    Beijinhos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pois, eu tenho uma certa queda para as quedas, mas chegada aos 30 anos já aceitei como parte da minha identidade. Se não fossem estes azares todos, também não teria muitas outras qualidades que vieram por acréscimo. Gosto de pensar assim e raramente me preocupo com as cicatrizes.
      Também devias fazer uma publicação com 50 factos sobre ti!!! De certeza que haveria mais coincidências!
      Beijinhos e boa semana para ti tb

      Delete
  3. Rica partilha! Depreendo que o teu marido não seja dentista?

    Abraço!

    **rita

    ReplyDelete
    Replies
    1. não, não... é bancário! ;) beijinhos

      Delete
  4. Obrigada por este momento maria. Já me ri, já me identifiquei com alguns factos, já fiquei triste com outros que relatas e adorei saber mais de ti.
    Com que então anel de diamantes?? Pois queres saber um segredo? Eu também não tive direito a anel de noivado nem pedido de casamento e já vou para o 14. ano em Abril e ainda não vi o anel de diamantes...
    Beijinhos,
    Lia.

    ReplyDelete
    Replies
    1. acho que vou esperar pelo anel de diamantes sentada...eheheh! mas para ser franca, não me faz falta nenhuma. ele dá-me muitas coisas às quais não consigo pôr um preço e que valem muito mais do que um anel. beijinhos

      Delete
  5. Na ideia que criamos das pessoas que lemos nunca te imaginei com metro e meio, pelo contrário! De resto, surpreendi-me com a quantidade de fracturas (talvez por nunca ter partido nada - e é bom que se mantenha, já agora) e achei graça à história da religião. P.s. também quero casar com um homem que me leve a NY e 16 de Junho é o dia mais lindo de sempre :p beijinhos *

    ReplyDelete
    Replies
    1. acho engraçado que as minhas receitas e histórias te tenham criado a ideia de que eu era... alta! lool! beijinhos

      Delete

Post a Comment

Popular Posts