Hoje não há receita (1).


Como ainda não consegui perceber bem o que procuram as pessoas que por aqui passam e como também nem sempre me apetece escrever sobre comida, porque eu sou mais do que isso e é exactamente o que pretendo transmitir, decidi tomar esta decisão de nem sempre publicar uma receita com o meu texto. Não apenas porque a comida estes dias não tem sido o centro da minha vida, mas também porque experimentar receitas novas não está no topo das minhas prioridades, em parte porque tenho pouco apetite devido ao calor, mas também porque diversos compromissos me têm afastado da cozinha e de uma culinária a que estava habituada, tendo como consequência inevitável algumas dores de barriga incómodas... Mas digamos que a principal razão pela qual "Hoje não há receita" passará a ser uma rubrica constante neste espaço é porque me apetece. 

Tenho tido umas semanas atípicas que me obrigam a apontar as minhas obrigações numa agenda e a segui-la ao pormenor. A fazer as compras pela app do Continente enquanto me desloco no 728 para Belém, e depois a perceber que o que mais precisava está esgotado. A comer gelados depois das onze da noite porque estive alguns dias a trabalhar num festival de arte que apenas me deixava abandonar as minhas funções a estas horas inglórias. A dormir três horas, seguidas de uma pausa de cinco minutos em que abria a pestana o mais que conseguia enquanto injectava o meu gato com insulina às 7h30 da manhã. A ler uma etnografia que se confunde com jornalismo de investigação de qualidade mil vezes superior à que me encontro a escrever, na ténue esperança que me inspire a ser melhor antropóloga. Ou antropóloga, ponto. A organizar uma despedida de solteira em contra-relógio, a tentar imprimir algum nexo a quem se está nas tintas para quem tem mais o que fazer do que enviar mensagens diariamente perguntando "leste o email?". A tentar acalmar os corações de quem sofre porque existem outros que se esquecem que há mais no mundo, muito mais, do que o seu próprio umbigo, mas claramente a falhar o objectivo porque também o meu coração está magoado e prefere juntar-se aos lamentos a prosseguir com cautela. Sempre, em toda a minha vida, fui castigada pelo adágio "pela boca morre o peixe". Às vezes o peixe deste milénio morre também pelas teclas, mas que culpa tenho eu que toda a gente ache que o que acontece no mundo tem a ver consigo?!

Mas estas semanas também têm servido para aguardar a chegada do meu segundo sobrinho que nasce daqui a pouco numa cesariana pré-agendada para evitar complicações. E nas poucas horas que passo em casa divirto-me a derreter com este calor insuportável, raios parta o calor e as férias que não vou ter!! Acho que este ano os meus pés não vão provar água salgada, por isso amaldiçoo o verão de todos vós! Que chova, muito, de preferência! 

Porra, lá se vão mais 30 seguidores. 


Comments

  1. ok, por pouco quase me perdeste :P É que esta seguidora está a adorar n ter frio pela primeira vez no ano, por isso viva o verão :D
    Mas esta seguidora tb adora o teu blog por isso passa esse desabafo à frente, porque realmente tens razão. Credo, que dias atribulados!
    Mas tu consegues, são fases. Respiramos fundo, fechamos os olhos, procuramos colinho de alguém e td fica melhor :)
    um abraço!

    ReplyDelete
    Replies
    1. eu sofro mesmo com o calor, nem imaginas... fico num estado semi-catatónico, semi-febril, não tenho apetite, só me apetece dormir, fico enjoada. é péssimo! mas pronto, agora com o ar condicionado instalado cá em casa espero que neste fim‑de‑semana de calor infernal que se aproxima não sofra tanto!
      beijinho

      Delete
  2. Looool onde eu estou chove portanto nao faz diferenca :P eu gosto muito de ler o teu blog. Quer tenha receita ou nao <3

    ReplyDelete
    Replies
    1. ah muito obrigada, querida afilhada! ;)

      Delete
  3. epah!!! Que chova?? Tu sabes que eu até sou mais receitas e menos de palavras lá pelo meu cantinho, mas adoro ler-te, com ou sem receita. Agora, a parte do que chova é que não joaninha, que eu adooooro estes dias quentes (até mesmo os quentes de mais :P). O resto passa, aproveita o que puderes do verão, dos dias longos, dos teus passeios pela cidade, dos gelados, dos teus gatos e do novo sobrinho... já viste, tanta coisa boa! :D
    Beijinhos

    ReplyDelete
    Replies
    1. acho que hoje de manhã choveu em alguns distritos e até houve direito a nevoeiro, por isso....... :p

      Delete
  4. Não quero que chova, mas olha por aqui está bem cinzento o dia e de manhã cedo chuviscava. Adoro o verão, mesmo quente, tenho dias em que me queixo do calor é verdade, mas quando não tenho sol fico menos alegre.
    Que felicidade o teu sobrinho, o gatinho estar bem, estares cheia de coisas para fazer, comer gelados fora de horas, ter um guru com voz sexy, é tudo bom!!
    Um beijinho.

    ReplyDelete
    Replies
    1. eu sem sol também fico menos alegre, os dias cinzentos são terríveis. o meio termo acaba por me agradar mais: primavera, outono... nada que um casaquinho ao fim do dia não resolva! e claro, umas sessões com o nosso amigo de voz sexy! ;)

      Delete
  5. Felizmente a profecia não se cumpriu e este verão não teve chuva :) Eu gosto das receitas, mas também gosto destes posts sem receita. Assim equilibradinho está bom :)

    ReplyDelete
    Replies
    1. também sou fã do equilíbrio de de não andar para aqui a maçar toda a gente com comida! ;) e não choveu, mas para a semana chove! muahaahah!! (não sou grande fã da humidade, é só mesmo para chatear)

      Delete

Post a Comment

Popular Posts