A procura pelo equilíbrio e uns bolinhos de couve flor #9


Se calhar o mais difícil de encontrar na vida é o equilíbrio. Bons amigos que nos digam na cara quando erramos. Bons companheiros que sintam a liberdade de crescer ao nosso lado. Trabalhar para viver e não viver para trabalhar. Saber quando agir e saber quando deixar ir. 

O mesmo se passa com a comida. Saber a altura em que devemos parar de comer quando estamos cheios. Saber ouvir o nosso corpo quando ele nos pede moderação na gula. Saber que alimentos nos fazem bem e quais devemos evitar. Porém, às vezes a mente tem mais força e manda sinais contraditórios. Faz-nos olhar para o espelho e só ver pregas de gordura onde a pele já se pendura nos ossos. Faz-nos cortar alimentos e chamá-los de sujos quando eles não estão lá para nos magoar. Empurra-nos o corpo para limites que não conhecíamos e depois empurra mais um pouco. Quando esta espiral já se encontra fora de controlo, encontrar o equilíbrio torna-se cada vez mais difícil e por vezes nem a força de vontade é suficiente para nos colocar nos eixos novamente. É nesta altura que pertencer a uma comunidade ajuda a reencontrar esse equilíbrio perdido, a reajustar valores e a definir objectivos mais claros.

Já não me recordo se comecei eu a seguir a Inês no instagram se ela a mim. Houve uma altura em que  adorava as fotografias dos perfis das brasileiras todas fits, as suas tapiocas e os seus planos de treinos. Foi quando conheci a Mimis e a Paula Miranda, as quais ainda hoje sigo e cujas histórias continuam a ser inspirações para mim. Durante muito tempo o exercício físico foi um bicho de 7 cabeças na minha vida e olhava para estas duas senhoras, uma que lutara contra a obesidade e outra contra a perda de um filho, e via o que uma alimentação cuidada e horas no ginásio tinham feito por elas, tanto por dentro como por fora. Comecei a incluir pequenas mudanças na minha rotina. Deixei de apanhar o metro para o trabalho, calcei os ténis e fiz sempre o caminho a pé. Depois deixei-me de ansiedades e comecei a correr. Actualmente o exercício físico faz parte da minha vida de maneira tão integral como o ar que respiro e tem feito maravilhas por mim. O cuidado com a alimentação surgiu naturalmente. Os abdominais hão-de sempre ser o que foram, mas a paz de espírito, a luta pelos objectivos, a aprendizagem de quem um dia não conseguia correr mais de 1km sem cuspir um pulmão e agora corre 10km sem perder o fôlego, é algo que ninguém me tira. O exercício permite que o meu corpo produza algumas substâncias que de outro modo seriam difíceis de obter e que tenha aprendido a disciplinar-me para alcançar objectivos a longo prazo, em vez de procurar soluções de imediato. E ter esse poder do meu lado, saber usá-lo em meu benefício... isso vale muito mais do que quaisquer abdominais definidos. Além disso, como cá em casa seguimos uma política de "o que é teu é nosso", posso sempre dizer que o six pack do Manel também é meu. 

Quando conheci o perfil da Inêsgetshealthy cedo fui percebendo que havia ali uma luta. Aliás, a Inês é bastante aberta em relação ao que a move e regista com cuidado toda a sua evolução. Não expõe uma imagem de perfeição, mas sim realista, com os seus altos e baixos. Quanto mais apreciava pessoas com percursos reais, menos me interessavam as fotografias fit de quem sabe jogar com a luz e com a posição do corpo na hora de publicar mais uma selfie no ginásio. E foi assim que deixei de seguir muita gente no instagram e comecei a seguir outras, ou mantive-me fiel àqueles cujo conteúdo me interessava por ser fidedigno. No caso da Inês, ao longo de meses fui assistindo à história de uma menina escanzelada que desabrochou numa mulher que levanta ferro como gente crescida e que todos os dias ingere uma torre de panquecas de fazer crescer água na boca. Saiu da sua zona de conforto, rodeou-se das pessoas certas e todos os dias foi construindo o seu equilíbrio. Ninguém lho deu, ela procurou-o e construiu-o. E isso também ninguém lho tira.

Quando decidi fazer novamente este desafio enviei mensagem directamente à Inês porque gostava de registar também aqui o seu testemunho. A sua história é muito rica e o seu percurso só agora está a começar. Se quiserem conhecer os bolinhos de couve flor que nos traz para este desafio, a sua interpretação de uma vida equilibrada e saudável, mas também acompanhar as suas conquistas futuras, conheçam aqui o seu blogue. Ah e não podia deixar de vos apresentar também a Inês a cozinhar as suas glamourosas panquecas no seu estilo muito divertido, como podem ver neste vídeo do Roasted Not Fried!


Se quiserem também participar neste desafio, poderão fazê-lo. Enviem-me um email para lim.edition2012@gmail.com e guardo-vos um espaço no calendário. Se reproduzirem nas vossas cozinhas alguma das propostas aqui apresentadas, utilizem o #desafioreceitasaudável e partilhem connosco as vossas versões e interpretações para que todos possamos contribuir para um estilo de vida mais saudável que passa pela comida, mas não se esgota nela.

Comments

  1. Fiquei com água na boca,...que desafio interessante,...Beijinhos,
    Espero por ti em:
    strawberrycandymoreira.blogspot.pt
    http://www.facebook.com/omeurefugioculinario
    https://www.instagram.com/marysolianimoreira/

    ReplyDelete

Post a Comment

Popular Posts