E o sal? #12


E depois de tantas semanas a discutirmos alimentação saudável, finalmente a opinião de uma nutricionista! A verdade é que actualmente se tornou comum que as pessoas aliem a sua vontade de emagrecer, ser fits ou saudáveis à falta de acompanhamento profissional. Como li recentemente, não é a amiga, a vizinha ou a blogger que nos deve dizer o que nos faz bem ou não comer ou como treinar (até porque muitas não têm formação nem conhecimentos necessários para isso), mas sim profissionais de saúde (e aqui incluo desde o naturopata, passando pelo médico de medicina chinesa ou biomedicina, mas também o nutricionista, o psicólogo e o personal trainer devidamente licenciado e certificado). Cada corpo é um corpo e as motivações por detrás de querermos alcançar este ou aquele objectivo nem sempre são claras. É por vezes necessário escavar fundo para sabermos se realmente faz sentido passarmos tantas horas a treinar e se sempre que pulamos em cima da balança ansiosas por um número que nos fizeram crer reflecte a nossa auto-estima faz mais mal do que bem. Mas também é importante perceber que existe uma clara diferença entre ler no instagram de alguém que se acha a última coca cola no deserto que o óleo de côco é benéfico para o coração ou falar com um cardiologista. A mim hoje em dia isto parece-me óbvio, a vocês não? Como dizia alguém, actualmente temos muita informação disponível, porém saber seleccioná-la é o que faz realmente a diferença.

Curiosamente conheci a Estefânia através do instagram. No meio de todas as contas, likes e fotografias que me levam demasiadas horas do dia, seleccionei a da Estefânia como uma das mais interessantes a seguir. Gosto imenso do estilo directo e divertido com que aborda todas as suas publicações e da informação que fornece no seu blogue sobre diferentes alimentos (ainda não me aventurei a experimentar a sopa de urtiga!). Os artigos vêm acompanhados de receitas ou de entrevistas a convidados, de sugestões de alimentos a consumir e de como tomar atenção aos rótulos. E como queria manter o nível deste desafio elevado, questionei a Estefânia, que se encontra neste momento ocupada com o estágio à ordem dos nutricionistas, se gostaria de participar também com uma receita. Fiquei muito contente quando aceitou e me enviou prontamente estas deliciosas bolachas sem sal, mas cheias de sabor. Sugiro-vos que passem pelo seu blogue, o Cozinhar com, e experimentem a sua receita.

É engraçado o impacto que o sal tem na nossa vida. Todos sabemos que faz mal, que não convém exagerar, ai o coração! Mas a verdade é que é necessário à alimentação, cumpre com várias funções no nosso organismo e não deve ser retirado totalmente. O problema é que muitos dos alimentos que consumimos já vêm com sal a mais em parte para ajudar à sua conservação, razão porque convém sempre passar por água, por exemplo, leguminosas que já comprem cozidas. Um curiosidade... Se pesquisarem na Bíblia, o sal encontra-se em várias passagens e está intimamente ligado à vida e à morte. Tanto permite a purificação como a destruição. Por isso, tal como tudo na vida, sal com moderação e procurar alternativas para mantermos a vida cheia de sabor, é capaz de ser a chave do sucesso. Ou do equilíbrio, digo eu que não sou nutricionista.

"O sal é bom, mas, se deixar de ser salgado, como restaurar o seu sabor?
Tenham sal em vocês mesmos e vivam em paz uns com os outros."
Marcos, 9:50


Se quiserem também participar neste desafio, poderão fazê-lo. Enviem-me um email para lim.edition2012@gmail.com e guardo-vos um espaço no calendário. Se reproduzirem nas vossas cozinhas alguma das propostas aqui apresentadas, utilizem o #desafioreceitasaudável e partilhem connosco as vossas versões e interpretações para que todos possamos contribuir para um estilo de vida mais saudável que passa pela comida, mas não se esgota nela.


Comments

Popular Posts